quinta-feira, 15 de junho de 2017

Disseram

Que não vencerás em teus empreendimentos;
Que o teu doente querido está no clima da morte;
Que travessarás longa noite de provações;
Que não mais encontrarás o trabalho que mais desejas;
Que não te recuperarás de certas perdas sofridas;
Que não realizarás os sonhos que acalentas;
Que os entes amados distantes de ti nunca mais te voltarão ao convívio;

Que o desgaste do corpo físico não mais te permitirá as realizações que tanto almejas;
Que, por essa ou aquela falta, andarás sobre Terra constantemente sobre pedras e espinhos. 
Tudo isso disseram...
Entretanto, continua agindo e servindo, orando e esperando, porque as opiniões de Deus são diferentes. 

Emmanuel

sábado, 10 de junho de 2017

A Lei do Amor - Paris, 1862


8 – O amor resume toda a doutrina de Jesus, porque é o sentimento por excelência, e os sentimentos são os instintos elevados à altura do progresso realizado. No seu ponto de partida, o homem só tem instintos; mais avançado e corrompido, só tem sensações; mais instruído e purificado, tem sentimentos; e o amor é o requinte do sentimento. Não o amor no sentido vulgar do termo, mas esse sol interior, que reúne e condensa em seu foco ardente todas as aspirações e todas as revelações sobre-humanas. A lei do amor substitui a personalidade pela fusão dos seres e extingue as misérias sociais. Feliz aquele que, sobrelevando-se à humanidade, ama com imenso amor os seus irmãos em sofrimento! Feliz aquele que ama, porque não conhece as angústias da alma, nem as do corpo! Seus pés são leves, e ele vive como transportado fora de si mesmo. Quando Jesus pronunciou essa palavra divina, — amor — fez estremecerem os povos, e os mártires, ébrios de esperança, desceram ao circo.
O Espiritismo, por sua vez, vem pronunciar a segunda palavra do alfabeto divino. Ficai atentos, porque essa palavra levanta a lápide dos túmulos vazios, e a reencarnação, vencendo a morte, revela ao homem deslumbrado o seu patrimônio intelectual. Mas já não é mais aos suplícios que ela conduz, e sim à conquista do seu ser, elevado e transfigurado. O sangue resgatou o Espírito, e o Espírito deve agora resgatar o homem da matéria.
Disse que o homem, no seu início, tem apenas instintos. Aquele, pois, em que os instintos dominam, está mais próximo do ponto de partida que do alvo. Para avançar em direção ao alvo, é necessário vencer os instintos a favor dos sentimentos, ou seja, aperfeiçoar a estes, sufocando os germes latentes da matéria. Os instintos são a germinação e os embriões dos sentimentos. Trazem consigo o progresso, como a bolota oculta o carvalho. Os seres menos adiantados são os que, libertando-se lentamente de sua crisálida, permanecem subjugados pelos instintos.
O Espírito deve ser cultivado como um campo. Toda a riqueza futura depende do trabalho atual. E mais que os bens terrenos, ele vos conduzirá à gloriosa elevação. Será então que, compreendendo a lei do amor, que une a todos os seres, nela buscareis os suaves prazeres da alma, que são o prelúdio das alegrias celestes


FÉNELON
Bordeaux, 1861

9 – O amor é de essência divina. Desde o mais elevado até o mais humilde, todos vós possuís, no fundo do coração, a centelha desse fogo sagrado. É um fato que tendes podido constatar muitas vezes: o homem mais abjeto, o mais vil, o mais criminoso, tem por um ser ou um objeto qualquer uma afeição viva e ardente, à prova de todas as vicissitudes, atingindo freqüentemente alturas sublimes.
Disse por um ser ou um objeto qualquer, porque existem, entre vós, indivíduos que dispensam tesouros de amor, que lhes transbordam do coração, aos animais, às plantas, e até mesmo aos objetos materiais. Espécies de misantropos a se lamentarem da humanidade em geral, resistem à tendência natural da alma, que busca em seu redor afeição e simpatia. Rebaixam a lei do amor à condição do instinto. Mas, façam o que quiserem, não conseguirão sufocar o germe vivaz que Deus depositou em seus corações, no ato da criação. Esse germe se desenvolve e cresce com a moralidade e a inteligência, e embora freqüentemente comprimido pelo egoísmo, é a fonte das santas e doces virtudes que constituem as afeições sinceras e duradouras que vos ajudam a transpor a rota escarpada e árida da existência humana.
Há algumas pessoas a quem repugna a prova da reencarnação, pela idéia de que outros participarão das simpatias afetivas de que são ciosas. Pobres irmãos! O vosso afeto vos torna egoísta. Vosso amor se restringe a um círculo estreito de parentes ou de amigos, e todos os demais vos são indiferentes. Pois bem: para praticar a lei do amor, como Deus a quer, é necessário que chegueis a amar, pouco a pouco, e indistintamente, a todos os vossos irmãos. A tarefa é longa e difícil, mas será realizada. Deus o quer, e a lei do amor é o primeiro e o mais importante preceito da vossa nova doutrina, porque é ela que deve um dia matar o egoísmo, sob qualquer aspecto em que se apresente, pois além do egoísmo pessoal, há ainda o egoísmo de família, de casta, de nacionalidade. Jesus disse: “Amai ao vosso próximo como a vós mesmos”; ora, qual é o limite do próximo? Será a família, a seita, a nação? Não: é toda a humanidade! Nos mundos superiores, é o amor recíproco que harmoniza e dirige os Espíritos adiantados que os habitam. E o vosso planeta, destinado a um progresso que se aproxima, para a sua transformação social, verá seus habitantes praticarem essa lei sublime, reflexo da própria Divindade.
Os efeitos da lei do amor são o aperfeiçoamento moral da raça humana e a felicidade durante a vida terrena. Os mais rebeldes e os mais viciosos deverão reformar-se, quando presenciarem os benefícios produzidos pela prática deste princípio: “Não façais aos outros os que não quereis que os outros vos façam, mas fazei, pelo contrário, todo o bem que puderdes”.
Não acrediteis na esterilidade e no endurecimento do coração humano, que cederá, mesmo de malgrado, ao verdadeiro amor. Este é um imã a que ele não poderá resistir, e o seu contato vivifica e fecunda os germes dessa virtude, que estão latentes em vossos corações. A Terra, morada de exílio e de provas, será então purificada por esse fogo sagrado, e nela se praticarão a caridade, a humildade, a paciência, a abnegação, a resignação, o sacrifício, todas essas virtudes filhas do amor. Não vos canseis, pois, de escutar as palavras de João Evangelista. Sabeis que, quando a doença e a velhice interrompem o curso de suas pregações, ele repetia apenas estas doces palavras: “Meus filhinhos, amai-vos uns aos outros!”.
Queridos irmãos, utilizai com proveito essas lições: sua prática é difícil, mas delas retira a alma imenso benefício. Crede-me, fazei o sublime esforço que vos peço: “Amai-vos”, e vereis, muito em breve, a Terra modificada tornar-se um novo Eliseu, em que as almas dos justos virão gozar o merecido repouso.

*
SANSÃO
Membro da Sociedade Espírita de Paris, 1863

quinta-feira, 18 de maio de 2017





Receita para todos os males
Discutir não alimenta
Reclamar não resolve.
Revolta não auxilia.
Desespero não ilumina....
Tristeza não leva a nada.
Lágrima não substituí suor.
Irritação intoxica.
Deserção agrava.
Calúnia responde sempre com o pior.
Para todos os males só existe um medicamento de eficiência comprovada: continuar na paz, compreendendo, ajudando, aguardando o concurso sábio do Tempo, na certeza de que o que não for bom para os outros não será bom para nós.
(Saco de lixo feliz)

domingo, 2 de abril de 2017

Nossos Filhos são Espíritos




... Eis, portanto, a pura, simples e inquestionável verdade: nossos filhos, tanto quanto nós mesmos, são seres humanos que já viveram antes. Trazem em si todo um passado mais ou menos longo de experiências, equívocos, conquistas, realizações e, consequentemente, um programa a executar na vida que reiniciam junto de nós. Da mesma forma que não nos desintegramos em nada ao morrer, também não viemos do nada quando nascemos de novo na carne. Tudo é continuidade, etapas que se sucedem, em ciclos alternados, aqui e além.  
   Anotem aí, portanto: somos todos seres criados por Deus, sim, mas há muito tempo, e não no momento da concepção ou na hora do nascimento, para "ocupar" um novo corpo físico. Esta ideia constitui a viga mestra de toda a arquitetura da vida, o conceito diretor que nos leva ao entendimento dos seus enigmas, mistérios e belezas imortais.


( Nossos Filhos são espíritos de Hermínio C. Miranda)

Quando olhar para seu filho, saiba que ele tem uma bagagem e veio ao mundo para vencer seus próprios limites. Sua tarefa como pai e mãe é ajudá-lo a melhorar-se, dando-lhe apoio para superar suas dificuldades. Essa não é uma tarefa fácil, requer tempo e observação.

Boa Sorte!!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2016

A importância do passe



Qual a importância do passe no centro espirita?

R: O passe na casa espírita representa um bom recurso de auxílio às pessoas que estejam enfermas, ou desgastadas emocionalmente ou, ainda, sob assédio de maus espíritos. Não deve ser a atividade única nem a mais importante na casa espírita e deve estar sempre associado à tarefa de esclarecimento e orientação doutrinária do assistido, porque o objetivo primordial do Espiritismo é o progresso intelecto-moral da humanidade e não o simples e momentâneo alívio de seus males.

O que acontece no momento do passe com quem dá e com quem recebe?

R: O passista, desejando ajudar alguém com o passe, atrai a assistência de bons espíritos, que o auxiliam a direcionar os fluidos para o assistido. Se o assistido estiver receptivo, sua mente adere à idéia de trabalho restaurativo e começa a sugeri-lo a todas as células do corpo físico. No dizer de André Luiz (Cap. XXII de “Mecanismos da Mediunidade”), assim que se estabelece o clima de confiança entre o socorrista e o necessitado, forma-se um elo de forças entre eles, pelo qual verte o auxílio da esfera superior, na medida dos créditos de um e de outro.

De que forma posso melhor aproveitar o momento do passe?
E como ele pode me proteger no dia-a-dia?
Ou o que devo fazer para que ele me proteja no dia-a-dia?

R: Para um bom estado receptivo das energias do passe, acalme seu coração, pacifique sua mente,
eleve seu pensamento a Deus, confiando na misericórdia divina, e ore silenciosamente, pedindo que lhe sejam proporcionadas as bênçãos de que precisa, para prosseguir vivendo e cumprindo seus deveres para com Deus, consigo mesmo e com o próximo.

O passe lhe fortalecerá fluidicamente e a prece atrairá para você o amparo dos bons espíritos,
como ajuda misericordiosa de Deus, para que você tenha equilíbrio e boa disposição para viver.

Mas, o que fará você estar protegido no seu dia-a-dia, serão o bem que você pensar e fizer,
porque a justiça divina só dá a cada um segundo as suas obras.

Ouvimos comentário que numa casa espírita as crianças, durante a reunião pública, tem aulas de evangelização e por isso não necessitam receber o passe, apenas os adultos o recebem. Isto está correto?

R: As crianças saudáveis e equilibradas realmente não precisam receber passe, como também não o necessitam os adultos igualmente saudáveis e equilibrados. Mas para as crianças enfermas, ou que apresentem perturbação ou desequilíbrio, será benéfica uma adequada transmissão de energias, para o que haverá na casa espírita reuniões especializadas de assistência espiritual.

Um bebê que ainda não foi batizado em nenhuma religião pode receber o passe?
E é aconselhável fazê-lo para proteger a criança?

R: O batismo é uma prática exterior adotada em algumas religiões cristãs mas não é prática
indispensável para a vida e bem estar de ninguém. Quem reencarna já está abençoado por Deus com a oportunidade de uma nova existência corpórea. A criança recém-nascida também não precisa de passe, a não ser quando enferma ou desequilibrada. Se queremos pedir a proteção divina para a criança, basta orarmos com sinceridade e amor por ela.

Podemos curar doenças através do passe?
R: Sim, quando a possibilidade exista dentro das leis divinas e dependendo do tipo de fluidos que transmitimos e do efeito restaurador que eles possam ter sobre algum órgão corpóreo em desgaste ou desequilíbrio funcional.

Os passes podem melhorar o estado de melancolia aparentemente muito comum numa pessoa deprimida?

R: Sim, se a pessoa estiver bem receptiva, haverá de sentir certa melhora em seu estado geral. Entretanto, não bastará isso para superar de todo o seu problema, pois é nosso modo de pensar e sentir que causa o nosso ajuste ou desajuste espiritual.

Conforme o caso, portanto, será preciso que a pessoa seja esclarecida e ajudada para sair do seu estado depressivo, embora o passe a alivie momentaneamente.

Como saber se os efeitos resultantes do passe não são fruto de auto-sugestão? Ou do pensamento positivo como nos casos do efeito placebo?

R: Somente o exercício dessa prática pode acabar nos dando a convicção de seus bons efeitos, pois não há sugestão que funcione tanto e tão bem quanto o passe.

Há alguma ligação entre o hipnotismo e a terapia do passe?

R: Do passe espírita, propriamente dito, não.

Eu gostaria de saber como uma pessoa que chega a uma casa espírita para tomar um passe, pode ter certeza de estar recebendo energias boas e o que acontece quando o passista está em desequilíbrio?

R: É preciso que observemos o ambiente da casa em que adentramos para receber o passe:
se os trabalhos se processam com disciplina e boa orientação doutrinária, sem cobrança pelos serviços prestados, etc. Se assim for, é de se presumir que os seus trabalhadores igualmente estejam bem orientados e preparados para o serviço de passe.

Se o passista estiver em desequilíbrio, não terá boas energias para transmitir ao assistido.

Este, porém, não assimilará a perturbação do passista, a não ser que ofereça sintonia mental e fluídica para tanto.

É real o fato de pessoas terem o poder de fazerem plantas crescerem com a imposição das mãos? Até “ressuscitá-las”? Pode-se dar passes em animais?

R: Podemos influir beneficamente sobre o reino vegetal e o animal, mas em determinados limites, pois plantas e animais acusam prejuízos quando é demasiado insistente a magnetização que lhes impomos. Convém restringir a nossa atuação nesse campo com ligeira imposição de mãos e uma prece para que espíritos benévolos e experientes na ajuda a plantas e animais utilizem em favor deles as nossas energias.

Fonte: Centro Espírita Allan Kardec
5 membros curtem isto

domingo, 11 de dezembro de 2016

Celebração da Vida



Bastante simbólico e de grande reflexão nos traz que as duas principais passagens do Evangelho sejam pautadas na celebração da vida.
Na primeira, um homem, em sua verdade, enfrenta a fúria e hediondez de muitos. Recebe as inglórias, o castigo, a ironia o fel. Até que a vida se mostre, através da libertação dos apelos mundanos.
Em outro momento, a vida se denota de esperança, apesar das forças contrárias, do exército perseguidor e assassino de um rei, ela estabelece-se, nem que para isso seja necessário que se envie uma estrela-guia. Em lugar de m estabelecimento, uma gruta, na falta de um berço, se deu uma manjedoura.
Nesse instante, em que o ano chega a seu termo, é necessário o recenseamento de nossas ações.
Antes de adentrarmos às necessárias reflexões e meditações, importante esclarecermos que um ano se trata de uma concessão. Concessão, esta, a qual se reveste em 365 oportunidades, casa uma com 24 momentos bem marcados, e cada um desses momentos é preenchido por invitáveis (convidativos) 60 instantes
Portanto, aqueles que tiveram as bênçãos da concessão em forma de dezenas de anos, não acuse a ninguém não ter conseguido conduzir o tempo na elevação e ações no bem. Hoje é tão mais acessível a comunicação e informação, o primeiro passo para a paz com o próximo é também o que adentra a paz íntima.
A reflexão proposta deve permear o terreno do passado, nos trazendo o entendimento para que novas ações sejam calcificadas.
Apenas aquele que se ama verdadeiramente consegue, consegue, honestamente, adentrar aos segredos do íntimo, apenas o amor a si permite a análise sincera do sentimento a delinear-se silhueta do próprio caráter, do próprio ser. Difícil tarefa, porém, necessária.
Qual teria sido a respectiva ação perante o familiar revolto? O insulto foi absorvido e tolerado? Ou ainda teimamos no “Olho por Olho”? Temos sido o ouvido fraternal ou o muro de concreto que tudo rebate? Temos utilizado o tempo na dedicação dos nossos ou própria? Se temos laços, temos, portanto, obrigações do passado.
O fato de termos as oportunidades da Seara do Cristo, não nos liberta ou exime de tais compromissos, pelo contrário, dá-nos ainda maiores responsabilidades
Somos exemplos, dentro de nossas limitações, de bondade e tolerância, parcimônia e correção na sociedade? Certamente, conseguimos discernir o certo do errado. Ainda enviamos mensagens coletivas denegrindo determinado grupo social ou político?
Antigo alerta nos lembra que a boca fala do que o coração está cheio, isto inclui a redes sociais. Sois espíritas e trabalhadores do Cristo 24 X 7, à frente ou não do computador.
Sejamos veículos da paz, da tolerância e da correção. Revolta e ansiedade devem ser tratadas.
Reflexão completa, urge determinarmos novas ações, meditar na estratégia da alma para as próximas concessões.
Por vezes, dentro do lar, enfrentaremos as chibatas da ofensa e acusações, um exército de perseguidores. Saibamos compreender que são cobradores e não inimigos, merecem a necessitam perceber que são amados. A eles, ofereçamos a outra face, o amor, como  teimosia da água, encontrará o caminho do coração e da transformação de cada um desses irmãos, através do tempo. Tenhamos paciência, mantendo a paz interior diante da cobrança. Se amamos o Cristo, devemos apascentar lhe (levar ao pasto) as ovelhas.
Não permitamos que vicissitudes nos perturbem o espírito, sempre haverá o apressado, a falsa solução fácil, o dissonante de ideias, os imprevistos etc. São todas vicissitudes, e deverás atravessá-las sem reclamar, a reclamação não harmoniza, assim como as ofensas e ironias não corrigem.
Acusação e ansiedade nunca convém ao coração que deseja burilar-se. A paz deve habitar em vós. O amor pauta tudo.
Eis o caminho do Gólgota,(calvário, nome dado a colina onde Jesus foi crucificado) a porta estreita, o campo a ceifar. Não desanimemos, virão as adversidades, a coroa de espinhos. Utilizem a estrela guia mensagem Cristã, na proteção divina da fé e da perseverança.
Ânimo e paz. Assim se celebrará a vida em vós, no decorrer dos tempos, na forma de libertação, após os sofrimentos ou ainda nas jornadas da esperança, da vida em renascimento do Cristo em nós.

Jornal Correio Espírita
Pedro Valati – de Indaiatuba/SP


quarta-feira, 30 de novembro de 2016

Mar Alto






“ E, quando acabou de, disse a Simão: Faze-te ao mar alto, e lançai as vossa redes para pescar. “ (Lucas, 5:4)



Este versículo nos leva a meditar nos companheiros de luta que se sentem abandonados na experiência humana.

Inquietante sensação de soledade lhes corta o coração.

Choram de saudade, de dor, renovando as amarguras próprias.

Acreditam que o destino lhes reservou a taça da infinita amargura.

Rememora, compungidos, os dias da infância, da juventude, das esperanças crestadas nos conflitos do mundo.

No íntimo, experimentam, a cada instante, o vago tropel das reminiscências que lhes dilatam as impressões de vazio.

Entretanto, essas horas amargas pertencem a todas as criaturas mortais.

Se alguém as não viveu em determinada região do caminho, espere a sua oportunidade, porquanto, de modo geral, quase todo Espírito se retira da carne, quando os frios sinais de inverno se multiplicam em torno.

Em surgindo, pois, a tua época de dificuldade, convence-te que chegaram para tua alma os dias de serviço em “alto mar”, o tempo de procurar os valores justos, sem o incentivo de certas ilusões da experiência material. Se te encontras sozinho, se te sentes ao abandono, lembra-te de que, além do túmulo, há companheiros que te assistem e esperam carinhosamente.


O Pai nunca deixa os filhos desamparados, assim, se te vês presentemente sem laços domésticos, sem amigos certos na paisagem transitória do Planeta, é que Jesus te enviou a pleno mar da experiência, a fim de provares tuas conquistas em supremas lições. 

Do livro Pão Nosso, item 21- Chico Xavier - Emmanuel

domingo, 6 de novembro de 2016

Servidor de Deus



       

Em qualquer atividade que exerças, considera-te servidor de Deus.
Por mais humilde seja a tua profissão, ela é por demais valiosa no conjunto social em que te encontras.
Cumpre com os teus deveres com alegria, e consciente do seu significado, do valor que eles têm e de quanto são importantes para a sociedade.
Ilhas imensas surgem nos mares construídas por humildes ostras.
Desertos colossais resultam de pequenos grãos de areia que se acumulam.
Oceanos volumosos são nada mais do que gotinhas de água.
A tua parcela no mundo é de tão grande relevância. Portanto, trabalha com disposição e nobreza
.

Nossa herança!!







Tudo que nós passamos aqui na Terra é efeito de causas que nós próprios criamos em vida anteriores. Esse anteriormente pode ser em outras vidas ou nessa própria vida. Portanto, tome conta de suas ações, reações e pensamentos e trabalhe para melhorar-se.
Somos vítimas de nós mesmos!

ORAÇÃO SEM NOME


O autor desse poema, quem o sabe?Foi encontrado em pleno campo de batalha, no bolso de um soldado americano desconhecido; do rapaz estraçalhado por uma granada, restava apenas intacta esta folha de papel.

Escuta Deus:
Jamais falei contigo.
Hoje quero saudar-te. Bom dia! Como vais?
Sabes? Disseram-me que tu não existes,
E eu, tolo, acreditei que era verdade.
Nunca havia reparado a tua obra.
Ontem à noite, da trincheira rasgada por granadas,
vi teu céu estrelado,
e compreendi então que me enganaram.
Não sei se apertarás a minha mão.
Vou te explicar e há de compreender.
É engraçado: Neste inferno hediondo
Achei a luz para enxergar o teu rosto.
Digo isto, já não tenho muita coisa a te contar:
Só que... que... tenho muito prazer em conhecer-te.
Faremos um ataque à meia-noite.
Não sinto medo.
Deus, sei que tu velas...
Ah! É o clarim! Bom Deus, devo ir embora.
Gostei de ti... vou ter saudade... quero dizer:
Será cruenta a luta, bem o sabes,
E esta noite pode ser que eu vá bater-te à porta!
Muito amigo não fomos, é verdade.
Mas... sim, estou chorando!
Vês, Deus, penso que já não sou tão mau.
Bem, Deus, tenho que ir.
Sorte é coisa bem rara:
Juro, porém: já não receio a morte.